Como a economia compartilhada pode impulsionar a logística

As empresas estão tendo que se reinventar para sobreviver às consequências da pandemia. Para muitas, a saída passa por estratégias de parceria. A chamada economia do compartilhamento, tema recente aqui no blog, deve movimentar mais de US$ 350 bilhões em todo o mundo em 2025, segundo a consultoria PwC – este valor era de apenas US$ 15 bilhões em 2014.

Ao conectar pessoas e empresas com necessidades e interesses comuns, as novas tecnologias permitem a troca ou compartilhamento de bens e serviços, abrindo oportunidades de negócios, reduzindo ociosidades e contribuindo para o desenvolvimento sustentável. Capitaneado por empresas como Uber, Netflix e Airbnb, esse novo modo de gerar valor vem rapidamente se popularizando, mesmo em setores tradicionalmente competitivos, como o de logística e transportes.

Hoje você vai entender como esse movimento pode impulsionar estes segmentos.

O custo da logística

Em nosso país, mais de 60% dos produtos são transportados por rodovias de extensão continental. Se por um lado oferece grande capilaridade, chegando a todos os cantos do país, essa malha também representa enormes custos em combustível e pedágios – sem contar as despesas com manutenção decorrentes de estradas em péssimo estado de conservação. Apenas 12% das rodovias são pavimentadas e, segundo estudo da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), só 40% da malha pavimentada se encontra em boas condições.

Considerando custos com transporte, estoque e armazenagem, os gastos com logística representavam 7,6% da receita líquida das empresas em 2016, de acordo com a consultoria Ilos. A situação fica mais crítica se considerarmos que setores em franca expansão, como e-commerce e agronegócio, dependem fortemente da capacidade logística para continuarem a crescer com sustentabilidade.

Um grande potencial


É neste cenário desafiador que a economia compartilhada dá as caras, embora ainda de forma tímida, baseada em aplicativos que conectam o dono da carga aos caminhoneiros. “São soluções que garantem o frete-retorno para o caminhoneiro que acabou de descarregar, por exemplo”, explica Toni Trajano, CEO da Soluciona Logística, empresa tem a cultura do compartilhamento como um valor corporativo. “Os aplicativos trazem economia e otimização de recursos, mas são apenas a ponta do iceberg. Este mercado ainda vai crescer muito, e deve ganhar escala dentro de cinco anos”.

Compartilhamento na origem

Segundo Trajano, o grande potencial do compartilhamento está em aplicá-lo na origem, fazendo com que empresas concorrentes se tornem parceiras ao embarcar seus produtos, e que empresas de transporte reduzam custos ao compartilhar as mesmas rotas e veículos.

Hoje, mesmo havendo vários embarcadores que destinam produtos para as mesmas regiões, cada embarcador busca, em geral, acumular carga até lotar o caminhão. Na etapa de transporte, muitos seguem rotas diferentes para cobrir os mesmos destinos. “Se embarcadores e transportadoras se organizassem, a redução de custo seria apenas um dos ganhos”, explica Trajano.

“O compartilhamento passa pela integração dos processos logísticos dentro das empresas e entre diferentes empresas, permitindo reduzir o tempo de entrega, aumentar a frequência de atendimento, reduzir a ociosidade de veículos, integrar o e-commerce à malha rodoviária, entre outros”.

O ganho ambiental com a redução na emissão de gás carbônico também não deve ser desprezado, alinhando a economia do compartilhamento às melhores práticas de uma logística genuinamente sustentável.

Vamos juntos?

Por envolver o entendimento entre diversos agentes e exigir o conhecimento de dispositivos legais e tributários, a adoção de soluções de compartilhamento não é tarefa simples. Mas ela pode ser facilitada por empresas que já possuam expertise na reestruturação de processos logísticos.

O conceito de colaboração e compartilhamento está no sangue da Soluciona, que presta serviço personalizado, com responsabilidade ambiental e redução de custos operacionais.

Nós podemos ampliar os resultados da sua operação logística. Entre em contato conosco.